TELEMEDICINA

TELEMEDICINA

Progastro_Especialista

👨🏻‍⚕️PROGASTRO ON-LINE👩🏽‍⚕️

Realizamos Orientação Médica a distância por vídeo chamada.
.
SAIBA COMO FUNCIONA?
1. Agende o PROGASTRO ONLINE através do nosso  CHAT ON-LINE .
.
2. Informe o número de um celular válido no cadastro, pois a consulta será realizada através de Vídeo Ligação via aplicativo whatsapp;
.
3. Efetue a transferência bancária identificada; 
.
4. Você receberá uma mensagem no seu whatsapp confirmando o atendimento.
.
5. No horário da consulta, vá para um lugar silencioso e aguarde o nosso médico especialista te ligar no número fornecido*.
.
6. Receba o seu atendimento médico na segurança da sua casa.
.
* É importante que você esteja em um local com wi-fi, bem iluminado, e que a câmera e microfone do celular estejam funcionando. Habilite as notifi-cações do aplicativo para ser notificado da chamada.
.
BENEFÍCIOS DO ATENDIMENTO @instituto.progastro ON-LINE:
*  Acessibilidade: Atendimento médico onde quer que você esteja;
* Segurança: reduz a possibilidade da contaminação ou transmissão do virus do COVID19, além de permitir realizar uma SEGUNDA OPINIÃO COM UM ESPECIALISTA;
* Responsabilidade: diminui o fluxo desnecessário em hospitais, ajudando na contenção do vírus, ajudando no Isolamento Social necessário neste período;
* Rapidez: Horários disponíveis para o mesmo dia.
* Economia: os custos totais (transporte, estacionamento, etc…) de atendimento são menores do que uma consulta presencial na clínica.

AGENDE ATRAVÉS DO NOSSO CHAT ON-LINE

 

 

Câncer de Pâncreas: A melhor prevenção é a INFORMAÇÃO.

Câncer de Pâncreas: A melhor prevenção é a INFORMAÇÃO.

Qual a função do pâncreas?
O pâncreas, localizado na região superior do abdômen, faz parte do sistema digestivo do nosso organismo. Ele possui a função endócrina, que produz a insulina, hormônio responsável por controlar os níveis de glicemia do sangue, e a função exócrina, incumbida de produzir as enzimas relacionadas à digestão e absorção dos alimentos que consumimos.

O que é câncer de pâncreas?
Em grande parte das situações, o câncer neste órgão é o adenocarcinoma, originado no tecido glandular, sendo responsável por mais de 90% dos casos diagnosticados pelos médicos, e pode ser relacionado ao tabagismo. O câncer de pâncreas atinge praticamente na mesma proporção homens e mulheres, em geral, com idade superior a 50 anos, especialmente os mais velho, entre os 65 e os 80 anos. Este tipo de câncer é bastante raro em pessoas com menos de 30 anos de idade.

O que é adenocarcinoma do pâncreas?
É um tipo do câncer de pâncreas que, geralmente, origina-se nos ductos pancreáticos, mas pode também desenvolver a partir das células responsáveis por produzir as enzimas pancreáticas (carcinomas de células acinares). Grande parte dos adenocarcinomas apresenta-se na cabeça do pâncreas, a parte que se encontra mais perto do primeiro segmento do intestino (duodeno).

Quais são os fatores de risco?
O principal fator de risco relacionado ao adenocarcinoma do pâncreas é o tabagismo. As pessoas que usam cigarro e seus derivados tem cerca de três vezes mais chances de desenvolver câncer de pâncreas do que os não fumantes. O risco aumenta de acordo com a quantidade e o tempo de consumo desse tipo de droga. Além disso, aqueles que sofrem de diabetes melitus tipo 2, e de pancreatite crônica, geralmente causada pelo uso excessivo de álcool pelo paciente, tem chances de desenvolver a doença.

Quais são os sintomas do adenocarcinoma do pâncreas?
Perda de peso, olhos e pele amarelados, e dores abdominais são os sintomas mais frequentes deste tipo de câncer. É importante ressaltar que a perda de apetite e a desnutrição também podem ocorrer, dependendo o grau da doença. No entanto, há casos em que o paciente não tem sinais da doença. Apesar de não haver uma justificativa para realização de exames de imagem em pacientes deste tipo, o diagnóstico precoce, a partir da identificação de alguma lesão pré-maligna, pode levar à maiores respostas ao tratamento e chances de cura.

Como é feito o diagnóstico do adenocarcinoma do pâncreas?
É realizado a partir de manifestações clínicas do paciente, relacionadas a exames de imagem, capazes de mostrar a presença do tumor no pâncreas.

É possível evitar o adenocarcinoma do pâncreas?
Por ser associado diretamente a hábitos de vida do paciente, é essencial levar uma vida saudável, com relação à alimentação, e evitar, principalmente, o cigarro e o álcool. Apesar disso, há casos em que o câncer de pâncreas aparece também em pessoas sem histórico de tabagismo ou ingestão de álcool. Mas, é sempre necessário ter hábitos saudáveis para diminuir os riscos de contrair este tipo de câncer de pâncreas.

Como tratar o adenocarcinoma do pâncreas?
O tipo de tratamento a ser indicado pelo médico responsável vai depender de diversos fatores, entre eles, o tipo de tumor, sua localização, seu estágio e do estado de saúde do paciente. Em geral, é possível afirmar que a cirurgia seja mais indicada em estágio inicial, pois pode ser retirado o tumor por completo, contendo o avanço da doença no organismo. Se há existem metástases atingindo outros órgãos, a operação também pode ser realizada com intenção terapêutica ou associada ao tratamento quimioterápico. Além disso, o médico pode indicar a quimioterapia, associada ou não à radioterapia, que ajudará a controlar a doença, aliviar os sintomas e evitar a volta do tumor. Por isso, é sempre importante destacar a importância do diagnóstico precoce do câncer, neste caso, que atinge o pâncreas. Quanto antes for descoberto, maiores são as chances de cura do paciente.

Entre contato conosco através da nossa central de atendimento on-line

CHAT ON LINE

Vídeo Abaixo: Cirurgia para tratamento do Câncer de Pâncreas

ADENOCARCINOMA DA CABEÇA DO PÂNCREAS
Metástase no Fígado

Metástase no Fígado

Liver Surgery

O que é metástase no fígado?

metástase no fígado ocorre quando um câncer, originário de outros lugares do corpo, atinge o órgão. Diferente do chamado câncer primário de fígado, a metástase hepática é um problema, geralmente, relacionado à estágios mais avançados de alguns tipos de câncer, como o câncer de pâncreas e câncer de mama.


Quais são as causas da metástase no fígado?

Existem seis etapas da medicina na metástase hepática. As células de câncer vão desde o local principal até um tecido normal próximo, movendo-se por meio das paredes dos vasos linfáticos e vasos sanguíneos. 

Logo após, elas migram pelo sistema linfático e circulação sanguínea para outras partes do corpo humano. Ao chegar a um local distante, param de se mover e passam a percorrer os vasos sanguíneos capilares e invadir tecidos próximos.

A partir deste momento, as células cancerosas crescem no local distante, e criam pequenos tumores, conhecidos como micro metástases, dando origem a um novo tumor em outro órgão, no caso da metástase hepática – o fígado.

A maioria desses casos desenvolve-se a partir do câncer de intestino. Estima-se que cerca de 60% a 70% dos pacientes com esse tumor tem chance de desenvolver o problema. Uma das explicações para essa porcentagem é que o fornecimento de sangue do intestino está diretamente ligado ao fígado, por meio de um vaso sanguíneo chamado de veia porta.

Além do câncer colorretal, os tumores primários, onde existe maior probabilidade de se espalharem para o fígado, dependente de sua localização inicial, são: câncer de mama, pâncreas, rim, esôfago, pele, pulmão, ovário, colo de útero, pâncreas e estômago.

É essencial destacar que, mesmo que o câncer primário tenha sido curado ou tratado, o paciente pode sofrer com a metástase hepática no futuro. Portanto, se o paciente já teve câncer em qualquer lugar do corpo, deve se informar sobre o assunto e fazer exames regulares, com acompanhamento médico.


 

Quais são os fatores de risco da metástase no fígado?

O câncer em outra região do corpo torna-se o principal fator de risco deste problema. O estágio do tumor primário é diretamente relacionado às chances de uma metástase no fígado.


 

Quais são os sintomas da metástase no fígado?

Grande parte dos pacientes com metástase hepática não tem sinais de alerta da doença. Em caso de sintomas, os mais comuns são: perda de peso e de apetite, aumento do tamanho do fígado e fortes dores, inflamação do baço, urina de cor escura, amarelamento da pele e dos olhos, dores abdominais, náuseas, suor e febre.


 

Como é feito o diagnóstico da metástase no fígado?

diagnóstico da metástase hepática pode ser feito por meio de um exame físico, devido ao inchaço do fígado e a descrição dos sinais pelo paciente atingido. Em estágio inicial, esse tumor é difícil de ser notado, pois os sintomas só começam a aparecer em situações mais avançadas. O médico pode avaliar o paciente também com exames complementares, como tomografia abdominal, ultrassonografia e ressonância magnética.


 

Como é o tratamento da metástase no fígado?

Com terapia sistêmica, por meio de:

  • Quimioterapia: utilização de medicamentos, para destruir, controlar ou inibir o crescimento das células doentes;
  • Imunoterapia: com o uso de anticorpos, fatores de crescimentos e vacinas;
  • Terapia-alvo: drogas são usadas para identificar e conter o funcionamento de partes do câncer;
  • Hormonioterapia: tem o objetivo de impedir a ação dos hormônios, responsáveis pelo crescimento das células do câncer;

Além disso, as metástases no fígado podem ser tratadas com terapias localizadas:

  • Cirurgia: em casos de estágio inicial, a retirada do tumor é mais fácil e com maior chance de cura;
  • Radioterapia: radiação ionizante onde está localizado o câncer.

A escolha dependerá do caso de cada paciente, e de como o tumor está evoluindo, bem como o tamanho, localização e quantidade, idade e estado de saúde do indivíduo. No entanto, esses tipos de tratamentos ajudam na expectativa de vida e na melhoria dos sintomas.

PROCURE SEMPRE UMA AVALIAÇÃO COM MÉDICO ESPECIALISTA.

Constipação Intestinal

Constipação Intestinal

constipação_intestinal_progastro

Nós consideramos que um ritmo intestinal de três evacuações ao dia ou uma evacuação a cada três dias possa ser considerado normal. As pessoas variam em função da sua característica e da flora intestinal. Existem muitas bactérias que definem o ritmo intestinal, é muito atual o uso de probióticos ou floras intestinais que definem o ritmo intestinal.

Pois a constipação funcional é aquela que decorre da ingesta inadequada de água, baixo consumo alimentar de fibras e da falta de atividade física, sabendo-se que um adulto necessita ingerir em média 25g/dia de fibra e 2 litros d’água/dia, toda vez que tivermos alteração na ingesta destes teremos alteração do nosso ritmo intestinal e poderemos desenvolver constipação intestinal.

Mudança do hábito intestinal

O que a gente sabe é que se tiver uma ou duas evacuações de um a três dias, pode ser considerado normal. O que importante é a mudança do hábito intestinal. Aquele paciente que evacua a cada três ou quatro dias, tem uma dificuldade enorme para evacuar e de repente passa a ter uma evacuação que ele considera normal, no começo pode achar que é um aspecto bom, mas é o doente que deve ser explorado e precisa realizar exames diagnósticos para saber se não tem alguma doença associada.

Ou ao contrário, aquele doente que evacua duas ou três vezes por dia, está acostumado com isso e passa a evacuar a cada dois ou três dias, a mudança do hábito intestinal é um alerta, principalmente se você tiver mais de 40 e 50 anos.

Então, de uma, duas ou três evacuações ao dia, desde que seja o seu ritmo intestinal, não nos preocupa, a mudança do hábito intestinal é o que preocupa. Esteja atento às mudanças do hábito intestinal.

Viagem também ocasiona a constipação

Também devemos saber que quando as pessoas viajam, é muito frequente a constipação se prolongar, principalmente entre as mulheres e pessoas que não gostam de usar outros banheiros que não aqueles que estão habituados. Quando estiver viajando e evacuar a cada dois e três dias ou ficar de cinco a seis dias sem evacuar, deve tomar providências porque não é bom que isso aconteça, leve um remédio.

Alterações neurológicas ou medicamentos

Entretanto, existem quadros funcionais de pacientes que têm alterações neurológicas ou associadas aos medicamentos. Existem muitos medicamentos para Parkinson ou outras doenças neurológicas que podem dificultar o funcionamento do intestino e também remédio para dor.

Procure um médico nessas situações

1 – O uso dos analgésicos mais modernos com base de codeína pode levar a uma constipação. Se isso estiver ocorrendo, consulte um especialista (Gastroenterologista, Cirurgião Digestivo e/ou Coloproctologia) porque necessita de orientação para que esses quadros não fiquem muito graves do ponto de vista funcional.

2 – Se você está usando alguma medicação de uso crônico e a constipação piorar, procure um especialista.

3 – Se você tiver uma mudança de hábito e perceber que mudou o seu padrão de ir ao banheiro, existe a necessidade de procurar um médico para investigar o porquê essa mudança intestinal aconteceu.

Entre contato conosco através da nossa central de atendimento on-line

CHAT ON LINE

Hérnia Incisional

Hérnia Incisional

INTRODUÇÃO

As estimativas do Ministério da Saúde indicam que aproximadamente 10% dos brasileiros apresentam algum tipo de hérnia na região do abdômen. Em 2010, segundo o Ministério da Previdência Social, o tratamento cirúrgico da hérnia abdominal, foi responsável por afastar 80 mil pessoas do trabalho. Apesar de ser um problema relevante de saúde pública, as hérnias abdominais podem ser tratadas com cirurgia e, na maioria dos casos, nunca mais incomodam.As hérnias abdominais correspondem ao escape de uma víscera através da parede abdominal, geralmente refletindo o enfraquecimento, afastamento ou a ruptura da musculatura do abdômen.

Tipos de hérnias abdominais

  • Hérnia inguinal: Ocorre na virilha (zona de junção entre a coxa e a parte inferior do abdômen) e é a mais comum entre as hérnias abdominais. Ela corresponde a 80% dos registros da doença, sendo os homens – principalmente quando iniciam a vida laboral – os mais afetados. Em alguns homens, ela pode ser expandida para os testículos, desenvolvendo, assim, a hérnia inguinoescrotal.
  • Hérnia umbilical (ou paraumbilical): Ocorre na região da cicatriz umbilical, principalmente em bebês.
  • Hérnia incisional: Está relacionada às incisões cirúrgicas na região. Por isso, geralmente, afeta as pessoas mais velhas que tendem a ter passado por mais cirurgias que os jovens.
  • Hérnia epigástrica: Ocorre na linha média do abdômen, acima do umbigo.

Uma forma de entender esse tipo de hérnia é imaginar que nosso abdômen é uma casa,  as janelas dessa casa (o abdômen) são  os pontos de fraqueza (rotura das paredes que formam as hérnias) por onde as vísceras se projetam; e as cortinas representam os órgãos abdominais. Desta forma quando ocorre uma ventania (aumento de pressão dentro do abdômen), parte das cortinas (os órgãos abdominais) saem pela janela (a hérnia) e se projetam para fora da casa (o abdômen).

Hernia_Incisional_1

DIAGNÓSTICO CLÍNICO

Nem sempre as hérnias dão sintomas, principalmente quando são pequenas. No entanto, quando começam a escapar pelos orifícios do abdômen, podem ser reconhecidas como  abaulamentos na região ou causarem muitas dores abdominais. As dores relacionadas às hérnias abdominais costumam ser piores durante esforços físicos, como levantar objetos pesados ou ficar durante muito tempo em pé, ou ainda quando a parede do abdômen é contraída rapidamente durante o esforço para evacuar ou tossir. Os sintomas relacionados às hérnias abdominais podem surgir e desaparecer espontaneamente, voltando a se manifestarem de novo. Às vezes, porém, a víscera pode ficar presa no orifício da hérnia, deixando de retornar à posição normal. Quando isso acontece, há um bloqueio da circulação sanguínea no trecho aprisionado, podendo provocar a necrose desse tecido. Se for uma alça intestinal, pode até ocorrer um rompimento. Nesses casos, além da dor, surgem náuseas e vômitos.

“A pressão feita ao colocar a mão na boca e soprar, exame típico realizado em jovens durante o alistamento militar obrigatório, também pode indicar a presença de hérnias.”

TRATAMENTO CIRÚRGICO

Na maioria dos casos, as hérnias abdominais são diagnosticadas pelo médico pela avaliação clínica, olhando e tocando a região, mas às vezes podem ser necessários exames de imagens (ultrassonografia e/ou tomografia computadorizada). O tratamento-padrão é cirúrgico e quanto mais cedo for realizado, melhor, sendo que nos casos de hérnias aprisionadas, a cirurgia deve ser realizada com urgência.

Tela_de_Polipropileno_Hernia

As cirurgias de correção das hérnias  podem ser abertas ou por laparoscopia, considerada minimamente invasiva. Ambos os procedimentos são realizados por meio de um pequeno corte sob anestesia local ou peridural. A hérnia é empurrada para dentro do abdômen e o orifício é fechado com uma prótese (tela), feita de material resistente e próprio para essa correção.

“Voltando à analogia que fizemos com a casa, a cirurgia é como se abríssemos a janela (a hérnia), colocássemos a cortina (os órgãos) para dentro e, depois, fechássemos a janela com uma grade protetora (a tela)”.

Tela_Hernia_Incisional

A recuperação pós-operatória da hérnia costuma ser rápida. Geralmente no mesmo dia ou no dia seguinte o paciente recebe alta hospitalar, mas deve seguir algumas orientações médicas, como não fazer esforço físico por dez dias. Entre os possíveis efeitos pós-cirúrgicos, estão: dor, lesão de nervos da região, infecção e, às vezes, recidiva da hérnia.

LEMBRE-SE

PROCURE SEMPRE UM MÉDICO ESPECIALISTA e CONSULTE UMA SEGUNDA OPINIÃO.

Cirurgia Metabólica

Cirurgia Metabólica

A Cirurgia Metabólica poderá ser indicada para o tratamento de pacientes com diabetes mellitus Tipo 2 (DMT2) e Índice de Massa Corporal acima de 30 Kg/m2. Essa opção de tratamento foi reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) através da resolução Número 2.172/2017, que determinou as regras para a indicação da Cirurgia Metabólica. Aproximadamente 9% da população brasileira convive com o diabetes, ou seja, temos cerca 20 milhões de brasileiros que podem ser beneficiados com esta técnica cirúrgica, caso o tratamento clinico especializado não apresente resultados. Nos últimos cinco anos, a procura pela Cirurgia Metabólica aumentou quase 50%, de acordo com estatísticas da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. Hoje, o Brasil só está atrás dos Estados Unidos no ranking mundial do número de cirurgias bariátricas realizadas.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE CIRURGIA METABÓLICA E A BARIÁTRICA

Na Cirurgia Metabólica ocorre o mesmo procedimento da CIRURGIA BARIÁTRICA. A diferença entre as duas é que a cirurgia metabólica visa o controle da doença metabólica associada á obesidade. Já a cirurgia bariátrica tem como objetivo o emagrecimento. De acordo com os estudos científicos atuais, a Cirurgia Metabólica é segura e apresenta resultados positivos de curto, médio e longo prazos, diminuindo a mortalidade de origem cardiovascular, conforme demonstrado por estudos Europeus e Norte-Americanos com mais de 20 anos de seguimento.

Técnicas : O CFM definiu também que a Cirurgia Metabólica para pacientes com DMT2 se dará, prioritariamente, por bypass gástrico com reconstrução em Y-de-Roux (BGYR). Somente em casos de contraindicação ou desvantagem da BGYR, a gastrectomia vertical (GV) será a opção disponível. Nenhuma outra técnica cirúrgica é reconhecida para o tratamento desses pacientes.

Resultado de imagem para sleeve versus bypass

Reconhecimento: Em 2011, a International Federation of Diabetes (IFD) introduziu a Cirurgia Metabólica nos algoritmos de tratamento de diabetes mellitus tipo 2 como alternativa para pacientes com IMC acima de 30 kg/m2 desde que a doença não tenha sido controlada apesar de tratamento medicamentoso otimizado e associada a fatores de risco para doença cardiovascular. Nos anos de 2013 e 2014, a American Society for Metabolic and Bariatric Surgery (ASMBS) e a International Federation for the Surgery of Obesity and Metabolic Disorders (IFSO), respectivamente, recomendaram a cirurgia para pacientes com diabetes, sem controle da doença após tratamento clínico e mudança no estilo de vida. O National Institute for Health and Care Excellence (NICE) passou a recomendar, em 2014, o tratamento cirúrgico para pacientes com mesmo perfil desde que o diagnóstico da doença seja inferior a 10 anos. Por fim, em 2016, 49 associações médicas de diferentes países revisaram as recomendações para o tratamento da diabetes e reconheceram a cirurgia metabólica como opção para o tratamento de diabetes e inadequado controle glicêmico após tratamento clínico.

Conheça as Normas da Resolução Brasileira (2172/2017 CFM):

Além do IMC e da ausência de resposta ao tratamento clínico, outros critérios para a indicação da Cirurgia Metabólica são a idade mínima de 30 anos e máxima de 70 anos e ter menos de dez anos de diagnóstico de diabetes.

  • Paciente precisa ter diabetes miellitus tipo 2 e ter IMC acima de 30 kg/m²;
  • Paciente precisa ter mais de 30 anos e no máximo 70 anos;
  • Paciente precisa ter diabetes miellitus tipo 2 há menos de 10 anos;
  • A indicação cirúrgica  precisa ser feita por dois médicos especialistas em endocrinologia;
  • Para indicação, é necessário um parecer que mostre que o paciente apresentou falha no tratamento clínico com antidiabéticos orais e/ou injetáveis, mudanças no estilo de vida e que compareceu ao endocrinologista por no mínimo dois anos;
  • Paciente não pode ter contraindicações técnicas ou clínicas para a cirurgia.

LEMBRE-SE: PROCURE SEMPRE UM MÉDICO ESPECIALISTA

Tratamento Cirúrgico da ENDOMETRIOSE INTESTINAL

Tratamento Cirúrgico da ENDOMETRIOSE INTESTINAL

endometriose_intestinal_ozimo_gama


O tratamento cirúrgico da endometriose intestinal é indicado principalmente na presença de sinais e sintomas de obstrução intestinal e dor pélvica recorrente refratária aos tratamentos clínicos. Na decisão final pela terapêutica cirúrgica leva-se em consideração além da severidade do quadro clínico, o histórico reprodutivo, a idade da paciente e as características morfológicas das lesões.

Avaliação Pré-Operatória

O estadiamento pré-operatório através de exames de imagem especializados (USG Pélvico e transvaginal ou Ressonância Magnética da Pelve) da endometriose intestinal auxiliarão no planejamento da técnica operatória a ser utilizada, a saber: shaving, ressecção discóide ou ressecção segmentar do reto e/ou sigmoide acometido.

Opções Terapêuticas

As lesões superficiais envolvendo a camada externa do intestino (serosa ou adventícia) podem ser removidas com secção feita por tesoura, da parede normal do intestino adjacente à lesão. O defeito na parede intestinal é corrigido com sutura, utilizando pontos simples de fio absorvível. A ressecção de disco de espessura total é utilizada quando a endometriose atinge todas as camadas intestinais. Esta técnica de ressecção discóide pode ser utilizada em lesões do reto baixo, utilizando-se grampeador circular., especialmente indicada para lesões que atingem até 1/3 da circunferência do reto e menores que 3 cm em extensão.

        A ressecção intestinal segmentar é geralmente realizada no caso de lesão única maior do que 3 cm de diâmetro, lesão única infiltrando mais de 50% da parede intestinal ou na presença de duas ou mais lesões infiltrando a camada muscular da alça. É a mesma técnica utilizada há décadas para as ressecções de sigmoide e reto por neoplasia. A ressecção laparoscópica tem se mostrado factível e segura desde a década de 1990.

       Embora a escolha entre ressecção segmentar e ressecção de disco de espessura total seja controversa, há evidências de que a ressecção segmentar é a única forma de remoção completa da doença. Mais recentemente foi proposto o acesso laparoscópico assistido por robótica para o tratamento da endometriose. Inicialmente, foram relatados resultados tão bons quanto os da laparoscopia convencional, a despeito do tempo anestésico e cirúrgico significativamente mais longo e da necessidade de trocaters maiores na técnica robótica. Estudos com seguimento de médio prazo, todavia, não apoiam a hipótese de superioridade da assistência robótica no tratamento da endometriose intestinal, embora se trate de uma mais opção terapêutica.