Aspectos Nutricionais da Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa

Aspectos nutricionais da Doença de Crohn e da Retocolite Ulcerativa

A manutenção da saúde humana requer a ingestão contínua de nutrientes, assim como a sua digestão e absorção, o que só é possível quando o nosso trato digestivo funciona de maneira adequada. No entanto, muitas alterações digestivas interferem na digestão normal. A Doença de Crohn (DC) e a Retocolite Ulcerativa Idiopática (RCUI) são doenças do trato digestivo que se caracterizam por um proeminente processo inflamatório intestinal, repercutindo no processo digestivo e trazendo assim repercussões nutricionais evidentes. 

Quando pensamos em doenças inflamatórias intestinais sempre questionamos as possíveis causas. Classicamente, alterações e mutações genéticas teriam relação com o desenvolvimento destas doenças, assim como as relações da flora intestinal com o hospedeiro (ser humano). No entanto, para que a doença efetivamente se desenvolva há a necessidade de um “gatilho”, ou seja, que algum desencadeante promova esta expressão genética e cause a diminuição da tolerância da mucosa intestinal pela flora intestinal habitual. Este “gatilho” pode ser algum tipo de alimento, e por isso algumas suposições são feitas. Dentre os possíveis hábitos alimentares envolvidos no processo estão o aumento da ingestão de alimentos ricos em gorduras, gorduras animais, proteínas animais em excesso, açúcares refinados e fast foods.

As alterações nutricionais relacionadas às doenças inflamatórias são caracterizadas principalmente por um desequilíbrio entre as necessidades de nutrientes e de energia em relação a real oferta e absorção destes alimentos.

O principal macronutriente afetado é a proteína, causando assim um quadro de má nutrição, que se destaca mais na Doença de Crohn. Sabe-se que 75% dos pacientes internados devido à Doença de Crohn apresentam este tipo de deficiência nutricional, caracterizando-se por perda de peso e quedas dos níveis sanguíneos de proteínas (principalmente albumina). Este quadro também pode existir em pacientes em pacientes em tratamento domiciliar e em remissão da doença, onde 50% deste grupo tem o peso menor que o normal. Múltiplos fatores contribuem para a má nutrição energética relacionada à proteína, como a má absorção dos nutrientes causada por perda da integridade e inflamação da mucosa intestinal, aumento do metabolismo decorrente do intenso processo inflamatório, e diminuição da ingestão alimentar como forma de se controlar o surgimento de dores abdominais e diarreia.

Além da deficiência proteica, as principais alterações nutricionais são a deficiência de minerais (ferro e zinco) e vitaminas (ácido fólico, B12, A, D, E e K). Apesar da deficiência de ferro ser mais comum na Retocolite Ulcerativa (mais 81% dos casos), a anemia é comum em ambas as doenças, afetando mais de dois terços dos pacientes. A anemia decorrente da carência de vitamina B12 e ácido fólico é mais comum na Doença de Crohn.

Além das próprias doenças, os medicamentos usados em seu tratamento também podem afetar os aspectos nutricionais e alimentares, causando também deficiências e carências. Seguem alguns exemplos disto. A sulfassalazina prejudica a absorção de ácido fólico. Os corticoides inibem a absorção de cálcio pelo intestino delgado, além de promoverem a excreção urinária deste mineral. A colestiramina diminui a absorção de cálcio, gorduras e vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) através da neutralização dos sais biliares (bile). A azatioprina pode induzir náusea, vômitos e má digestão (dispepsia), causando a diminuição geral da ingestão alimentar.

Quanto ao tratamento, alguns tipos de alimentos podem interferir positivamente no controle das doenças inflamatórias intestinais. Os mais comumente relatados são os prebióticos e probióticos, que são alimentos que predispõem o crescimento bacteriano e microrganismos vivos, respectivamente. O ato de selecionar a flora intestinal com um aspecto mais saudável teria como objetivo proporcionar um efeito anti-inflamatório à mucosa intestinal. O efeito da flora intestinal mais saudável seria o de inibir o crescimento de microrganismos patogênicos, manter a integridade e a saúde da mucosa intestinal (evitando a disbiose), melhorar a imunidade local e neutralizar a ação de bactérias patogênicas e de suas toxinas.

Entendemos que muitos pacientes com doenças inflamatórias intestinais procuram uma dieta específica para o controle das suas doenças, mas infelizmente este tipo de alimentação funcional ainda não foi estabelecida. No entanto, já se sabe que estes pacientes podem apresentar carências nutricionais (proteínas, vitaminas e minerais) e que por isso o acompanhamento médico e nutricional são muito importantes. É fundamental que estes pacientes realizem check-ups regulares para a avaliação dos seus aspectos nutricionais e da sua composição corporal e que mantenham uma dieta regular e saudável.

Entre em contato conosco através da nossa central de atendimento

CHAT ON LINE