Tratamento Cirúrgico da ENDOMETRIOSE INTESTINAL

endometriose_intestinal_ozimo_gama


O tratamento cirúrgico da endometriose intestinal é indicado principalmente na presença de sinais e sintomas de obstrução intestinal e dor pélvica recorrente refratária aos tratamentos clínicos. Na decisão final pela terapêutica cirúrgica leva-se em consideração além da severidade do quadro clínico, o histórico reprodutivo, a idade da paciente e as características morfológicas das lesões.

Avaliação Pré-Operatória

O estadiamento pré-operatório através de exames de imagem especializados (USG Pélvico e transvaginal ou Ressonância Magnética da Pelve) da endometriose intestinal auxiliarão no planejamento da técnica operatória a ser utilizada, a saber: shaving, ressecção discóide ou ressecção segmentar do reto e/ou sigmoide acometido.

Opções Terapêuticas

As lesões superficiais envolvendo a camada externa do intestino (serosa ou adventícia) podem ser removidas com secção feita por tesoura, da parede normal do intestino adjacente à lesão. O defeito na parede intestinal é corrigido com sutura, utilizando pontos simples de fio absorvível. A ressecção de disco de espessura total é utilizada quando a endometriose atinge todas as camadas intestinais. Esta técnica de ressecção discóide pode ser utilizada em lesões do reto baixo, utilizando-se grampeador circular., especialmente indicada para lesões que atingem até 1/3 da circunferência do reto e menores que 3 cm em extensão.

        A ressecção intestinal segmentar é geralmente realizada no caso de lesão única maior do que 3 cm de diâmetro, lesão única infiltrando mais de 50% da parede intestinal ou na presença de duas ou mais lesões infiltrando a camada muscular da alça. É a mesma técnica utilizada há décadas para as ressecções de sigmoide e reto por neoplasia. A ressecção laparoscópica tem se mostrado factível e segura desde a década de 1990.

       Embora a escolha entre ressecção segmentar e ressecção de disco de espessura total seja controversa, há evidências de que a ressecção segmentar é a única forma de remoção completa da doença. Mais recentemente foi proposto o acesso laparoscópico assistido por robótica para o tratamento da endometriose. Inicialmente, foram relatados resultados tão bons quanto os da laparoscopia convencional, a despeito do tempo anestésico e cirúrgico significativamente mais longo e da necessidade de trocaters maiores na técnica robótica. Estudos com seguimento de médio prazo, todavia, não apoiam a hipótese de superioridade da assistência robótica no tratamento da endometriose intestinal, embora se trate de uma mais opção terapêutica.