Como Prevenir o CÂNCER DE CÓLON (Intestino Grosso)?

Como Prevenir o CÂNCER DE CÓLON (Intestino Grosso)?

O câncer de cólon e reto abrange tumores na parte do intestino grosso, que é chamada de cólon, no reto e no ânus. Ele pode atingir homens e mulheres, geralmente por volta dos 50 anos de idade. Costuma se desenvolver de forma lenta e, se descoberto em estágio inicial, tem altas chances de cura. Saiba quais os fatores de risco e os principais sinais e sintomas para ficar atento.

COMO O CÂNCER DE CÓLON E RETO SE DESENVOLVE

Como todos os outros tecidos e órgãos do corpo, o cólon e o reto são formados por células que se dividem e se reproduzem de forma ordenada e controlada. Quando acontece alguma alteração, pode ser produzido um excesso de tecido que dá origem ao tumor, que pode ser benigno ou maligno. O câncer pode crescer, comprimindo e invadindo órgãos sadios à sua volta. Além disso, as células cancerosas podem se desprender e se espalhar por meio da corrente sanguínea e/ou vasos linfáticos. Quando isso acontece, o câncer migra para outras partes do corpo, geralmente para o fígado, nódulos linfáticos, pulmão e ossos. 

Ainda não se sabe exatamente as causas do câncer de cólon e de reto, mas alguns fatores de risco influenciam o desenvolvimento, tais como: 

Má alimentação – há evidências de que o câncer de cólon e de reto está associado a dietas gordurosas, hipercalóricas, pobres em fibras e com excesso de carne vermelha e/ou processada.

Constipação intestinal – o contato das fezes com as paredes do cólon e do reto por períodos prolongados aumenta as chances de desenvolver a doença. 

Pólipos – são um tipo de crescimento anormal de tecido nas paredes colorretais, como se fossem verrugas. Costumam aparecer após os 50 anos de idade e, apesar de benignos, deveriam ser retirados por precaução, pois um grande número de tumores se desenvolve a partir desses pólipos. Pessoas com essa condição devem fazer acompanhamento regular com o médico.

Histórico familiar – apesar da maioria dos casos de câncer colorretal ocorrer sem histórico familiar, 30% das pessoas que desenvolvem têm outros familiares que foram acometidos pela doença. Pessoas com histórico de câncer ou pólipos em parentes de primeiro grau têm risco aumentado. 

Doenças inflamatórias – pessoas com doença de Crohn e colite ulcerativa, por causa da inflamação nas paredes colorretais, têm mais risco de desenvolver o câncer. Deve ser feito acompanhamento regular com o médico.

Doenças hereditárias – correspondem a apenas 5% dos casos de câncer colorretal. São pessoas que herdaram mutações genéticas que causam a doença. As mais comuns são: síndrome de Lynch e polipose adenomatosa familiar. Outras, mais raras, são: síndrome de Gardner, síndrome de Turcot, síndrome de Peutz-Jeghers e polipose MUTYH. Pessoas com alguma dessas condições devem fazer acompanhamento regular com o médico.

SINAIS E SINTOMAS DO CÂNCER DE CÓLON E RETO

No estágio inicial, o câncer colorretal não costuma apresentar sinais e sintomas, o que dificulta sua detecção precoce. Mas é muito importante ficar atento a alguns sinais:

  • Mudança injustificada de hábito intestinal; 
  • Diarreia ou prisão de ventre recorrentes; 
  • Sangue nas fezes (pode ser de coloração clara ou escura); 
  • Evacuações dolorosas;
  • Afinamento das fezes;
  • Constante flatulência (gases);
  • Desconforto gástrico;
  • Sensação de constipação intestinal;
  • Perda injustificada de peso;
  • Cansaço constante.

Importante: a presença de um ou mais destes sinais e sintomas não significa que você está com câncer. Eles podem ser causados por diversas doenças gastrointestinais, como úlceras ou inflamação do colón. Procure o Gastroenterologista para ele identificar a causa e indicar o melhor tratamento para o seu caso.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE CÓLON E RETO 

Para determinar a razão dos sinais e sintomas, o médico vai avaliar tudo o que você disser que está sentindo, seu histórico e fará o exame clínico, incluindo o toque retal. Outros exames são necessários para detectar o câncer colorretal:

Teste de sangue oculto – por meio de uma amostra de fezes, é possível identificar se há sangue que não pode ser visto a olho nu.

Colonoscopia – para examinar o cólon por dentro, o médico usa um tubo fino com uma pequena câmera na ponta. Se necessário, é retirada uma amostra de tecido para análise (biópsia). Independentemente de ter ou não sinais e sintomas que indicam câncer, pessoas com mais de 50 anos devem fazer esse exame de forma regular.

Radiografia – é feita com contraste para que as paredes do intestino fiquem visíveis, permitindo que qualquer anormalidade seja visualizada.

TRATAMENTOS PARA O CÂNCER DE CÓLON E RETO

Se o diagnóstico for positivo, o tratamento será decidido de acordo com a extensão da doença, idade da pessoa, histórico e estado de saúde. Há quatro métodos principais de tratamento para o câncer colorretal: cirurgia, radioterapia, quimioterapia e imunoterapia. O médico poderá indicar um único método ou a combinação deles.

Cirurgia para câncer de cólon e reto – o tipo de cirurgia dependerá da localização e do tamanho do tumor. Na maioria dos casos, é possível retirar a parte afetada do intestino. Esse procedimento chama-se ressecção do intestino. Durante a cirurgia, são retirados os gânglios linfáticos próximos para verificar se têm células cancerosas. Após a cirurgia, é colocada uma bolsa especial na abertura do abdome para coletar as fezes (colostomia).

  • A colostomia temporária é feita para que as fezes sejam desviadas do baixo cólon e o reto até que eles se recuperem;
  • A colostomia definitiva é necessária quando o baixo reto é inteiramente retirado. 
Câncer de Cólon: Tratamento Cirúrgico Vídeolaparoscópico

Radioterapia – costuma ser aplicada antes ou após a cirurgia, especialmente em câncer de reto. É indicada, também, para casos em que é impossível remover o tumor cirurgicamente por localizar-se muito perto do ânus. Combinada com outros tratamentos, costuma ser muito eficaz para diminuir a volta da doença. 

Quimioterapia – não costuma ser muito eficiente no combate a casos recorrentes ou muito avançados de câncer colorretal. Entretanto, em grupos de pacientes em estágio moderado, a quimioterapia tem apresentado bons resultados.

Imunoterapia – o sistema imunológico do organismo humano tem uma capacidade natural de reconhecer células cancerosas e combatê-las. A imunoterapia ou terapia biológica é um tratamento que estimula e fortalece esta função e costuma ser indicada como tratamento complementar à cirurgia, radioterapia ou quimioterapia. 

Fonte: Medicina Pfizer

Nódulo no Fígado

Nódulo no Fígado

Um fígado de dano em branco backgroud - Download Vetores Gratis ...
Nódulo no Fígado

Nódulo hepático é achado relativamente comum de alguns exames. O acesso a exames de imagem de rotina tem sido cada vez mais frequente na população (em checkups ou avaliações de sintomas gastrointestinais), levando ao aumento do diagnóstico de diversas Doenças do Fígado, Pâncreas e Vias Biliares de forma precoce. Um dos achados mais frequentes, os nódulos (ou tumores) hepáticos se destacam. Outro motivo para tornar isso mais comum é a qualidade dos aparelhos, que é cada vez melhor e com maior sensibilidade.

“Dá-se o nome de nódulo ou tumor (ou neoplasia) a uma proliferação anormal de células, desde aquelas com caráter benigno, até as malignas, também denominadas “câncer”.”

O fígado é um órgão que pode apresentar alta incidência de ambas, sendo bem estabelecidos os grupos de risco para cada tipo de tumor, as formas de diagnóstico e o tratamento ou acompanhamento que deve ser realizado com cada paciente, de maneira sempre individualizada.

Dr. qual a forma de investigação?

Um ultrassom ou ultrassonografia é, mais frequentemente, o exame inicial diagnóstico da presença do nódulo (ou tumor) hepático. Embora o ultrassom possa indicar a probabilidade de se tratar de algum tipo específico de tumor, apenas um exame de imagem dinâmico (com contraste) pode ser considerado para conclusão definitiva do diagnóstico. A tomografia e, principalmente, a ressonância (preferencialmente com contraste hepatoespecífico – Primovist) têm cumprido este papel de forma cada vez mais precisa, reduzindo progressivamente a necessidade de biópsias. Além dos exames de imagem, nos casos suspeitos para tumor maligno específico, há uma série de exames de sangue (marcadores tumorais) que podem ser testados.

Dr. já fiz uma Ultrassonografia que mostrou um NÓDULO NO FÍGADO, o que devo fazer agora?

Pergunte inicialmente a seu médico, pois foi ele quem solicitou o exame. Discuta com ele a necessidade de que seja ouvido  um Especialista para prosseguir na investigação e, eventualmente, se chegar ao diagnóstico específico do tipo de nódulo. Pois, como já foi dito, cada tipo requer uma abordagem ou tratamento ou acompanhamento diferente. Com exceção do carcinoma hepatocelular (que é o câncer de fígado “mais comum”) e das metástases (de quem já tem o diagnóstico de câncer em algum outro órgão), os demais tumores hepáticos não têm definida uma necessidade de investigação recorrente por exames de imagem. Assim, quem não tem nenhuma doença crônica no fígado (hepatite crônica, cirrose ou outras) e nem nunca teve o diagnóstico de nenhum câncer não tem motivos para investigar nódulos no fígado de maneira rotineira. Como há diversos tipos de nódulos e cada um com uma origem e comportamento diverso, devemos falar individualmente de cada um dos mais frequentes:

Amazon.com: Liver Model | Human Body Anatomy Replica of Liver w ...
Tumores Hepáticos

Hemangioma: nódulo hepático mais comum, chega a ser encontrado em 10% da população. Mais frequente em mulheres, não tem uma causa bem estabelecida, mas suspeita-se ter alguma relação com presença de estrogênio, pois o mesmo apresenta aumento de incidência após gestação ou reposição hormonal. O tratamento cirúrgico (nos hemangiomas gigantes) é raramente necessário e deve ser definido de maneira individualizada.

Hiperplasia nodular focal: encontrado entre 1 e 3% das pessoas, a HNF é muito mais comum em mulheres (8:1), sem um fator causal evidente. A necessidade de cirurgia é muito infrequente (quase nunca), e isso também deve ser considerada caso a caso.

Adenoma: mais raro que os anteriores, tem variantes, sendo que uma delas tem relação causal bem estabelecida com o uso de anticoncepcionais hormonais ou esteroides anabolizantes. Muito mais frequente em mulheres. A necessidade de retirada cirúrgica ocorre com frequência pelo risco de malignizar ou sangrar ou de romper dentro do abdome. Como há diferentes subtipos, a indicação cirúrgica deve levar diversos fatores em consideração.

Carcinoma hepatocelular: câncer que incide quase sempre no paciente com hepatite viral ou com cirrose, embora tenham aumentado os relatos em pacientes com doença gordurosa do fígado ainda sem cirrose. Nos cirróticos, a incidência gira entre 1 e 4% ao ano, tornando o acompanhamento e rastreio (vigilância), neste grupo, mandatório. Há diversas formas de tratamento, que variam de acordo com o perfil do paciente, o tamanho e a quantidade de nódulos. Há chance de cura, desde que abordado corretamente.

Colangiocarcinoma: câncer raro, pouco mais frequente em homens, vem se tornando mais frequente nas últimas décadas. Há poucos fatores de risco conhecidos, como a presença de doença prévia em vias biliares. Quase sempre é diagnosticado ao acaso, em exames de imagem de rotina. O tratamento mais adequado depende de diversos fatores, mas sempre deve ser iniciado prontamente, por tratar-se de uma doença agressiva.

Metástases hepáticas: o fígado é o órgão abdominal mais suscetível ao surgimento de metástases de neoplasias malignas de outros órgãos. O mais frequente sítio primário (local do “câncer original”) é o intestino grosso (cólon/reto), seguido por pâncreas, mama e estômago. Dessa forma, o exame de rotina nesses grupos de risco é necessário e poderá haver até mesmo cura em alguns casos, desde que diagnosticados e abordados por especialista em tempo hábil.

Dr. todo nódulo no fígado precisa de Cirurgia?

A primeira respota é não. Mas o tratamento irá variar de acordo com o tipo de nódulo, tamanho, quantidade, localização e das condições clínicas do paciente. A enorme maioria dos nódulos não necessitará, caso faça uma investigação complementar adequada, realizar biópsia. Quantos aos tumores malignos, quando a doença não é muito avançada, quase sempre devem requerer algum tipo de abordagem, que geralmente pode ser cirúrgica. São sempre casos complexos e cujo tratamento deve ser indicado de forma individualizada, uma vez que há diversas abordagens possíveis em alguns casos. Um médico cirurgião especialista em fígado deve ser responsável pelo acompanhamento.

Hepatectomia Videolaparoscopica

Dr. mas minha Ultrassom mostrou um CISTO NO FÍGADO, é a mesma coisa que Nódulo?

Os cistos hepáticos são muito comuns e sua incidência aumenta com a idade, chegando a ocorrer em 50% das pessoas com mais de 60 anos. Embora a grande maioria seja do tipo “simples” e quase nunca necessite de qualquer tipo de abordagem, 5% dos casos (não simples) podem exigir cuidados adicionais (em certos casos, o cisto pode ser cistoadenoma ou cistoadenocarcinoma). Um bom exame de imagem costuma ajudar nessa diferenciação, podendo-se complementar a investigação com alguns exames de sangue. O ideal poderá ser consultar um especialista, para avaliar qual é a melhor conduta em seu caso.

Interpretação de exames e conclusão diagnóstica são atos médicos, que dependem da análise conjunta de dados clínicos e de exames subsidiários, devendo, assim, ser realizadas por um médico.

Lembre-se, procure sempre um Médico Especialista e escute uma Segunda Opinião. Ficou em dúvida? Entre em contato com nossa central de atendimento acessando o Link abaixo

NOSSO CHAT ON LINE

Cirurgia Hepatobiliopancreática

Cirurgia Hepatobiliopancreática

Instituto ProGastro / Serviço de Cirurgia Hepatobiliopancreática

A Cirurgia Hepatobiliopancreática é uma das áreas de atuação da cirurgia do aparelho digestivo, que se dedica ao tratamento de doenças BENIGNAS ou MALIGNAS (Câncer) do fígado, vias biliares e pâncreas. Consiste numa especialidade médica de complexos procedimentos cirúrgicos, que exige treinamento cirúrgico específico da equipe médica e adequada estrutura hospitalar para sua prática. Nesse grupo de cirurgias são realizados os tratamentos de doenças benignas e malignas, tais como:

Nódulos hepáticos (nódulos benignos – adenomas e hepatocarcinoma). O hepatocarcinoma é o câncer primário do fígado. O câncer é derivado das principais células do fígado, os hepatócitos. Como os demais cânceres, surge quando há uma mutação nos genes de uma célula que a faz se multiplicar desordenadamente. Essa mutação pode ser causada por algum agente externo (como o vírus da hepatite B ou C) ou pelo excesso de multiplicações das células, o que aumenta o risco de surgimento de erros na duplicação dos genes. O hepatocarcinoma é caracteristicamente agressivo. Isso justifica o acompanhamento constante dos pacientes portadores de Hepatites Virais (Tipo B e Tipo C) para monitoramento do surgimento destas neoplasias.

Serviço de Cirurgia Hepatobiliopancreática: Hepatectomia Laparoscópica

Cistos hepáticos: O cisto hepático é definido como uma pequena bolha que surge na parte interna do fígado. Embora pequena, a bolha contém em seu interior um líquido ou um material viscoso, mais grosso, jamais sendo vazia. Estima-se que cerca de 5% da população brasileira já tenha apresentado um cisto hepático e já tenha feito o tratamento em algum momento de sua vida.

Câncer de vesícula biliar: O câncer de vesícula biliar é um problema raro e grave que afeta a vesícula biliar, um pequeno órgão do trato gastrointestinal que armazena a bile, liberando-a durante a digestão. Normalmente, o câncer de vesícula biliar não provoca qualquer tipo de sintoma e, por isso, em muitos casos, é diagnosticado em fases muito avançadas, quando já afetou outros órgãos como o fígado, ocasionando metástases hepáticas. O câncer de vesícula tem cura quando o seu tratamento é iniciado precocemente com cirurgia, para eliminar todas as células tumorais e impedir a sua propagação para outros órgãos.

Serviço de Cirurgia Hepatobiliopancreática: Câncer das Vias Biliares

Câncer de via biliar (colangiocarcinoma): O câncer das vias biliares é incomum e resulta do crescimento de um tumor nos canais que conduzem a bile produzida no fígado para a vesícula biliar. A bile é um líquido importante na digestão, pois ajuda a dissolver as gorduras ingeridas nas refeições. A principal forma de apresentação clínica destes tumores é o aparecimento da ICTERÍCIA PROGRESSIVA (olhos amarelados) nos pacientes.

Cistos de pâncreas (benignos e malignos): Os cistos que podem aparecer nesta área, geralmente não apresentam quaisquer tipos de sintomas quando estão se iniciando, e alguns podem nem precisar de tratamento. Já os casos mais graves, geralmente acima de 2 cm, devem ser avaliados criteriosamente por um Cirurgião Hepatobiliopancreático já que podem ser cistos malignos. Os cistos pancreáticos são mais comuns em pessoas que já possuem uma doença preexistente no local. Por exemplo, pode se relacionar a alguém que já teve um caso de pancreatite, diabetes e obesidade.

Serviço de Cirurgia Hepatobiliopancreática: Ressecção Laparoscópica de Cisto Pancreático

Lembre-se, procure sempre um médico especialista e receba uma segunda opinião. Em caso de dúvidas entre em contato conosco através da nossa central de atendimento on-line abaixo

CHAT ON LINE

Pólipo na Vesícula Biliar: Qual o tratamento?

Pólipo na Vesícula Biliar: Qual o tratamento?

Pólipo na vesícula biliar: o que fazer?

Os pólipos de vesícula biliar são protuberâncias na mucosa da vesícula, geralmente são um achado incidental de uma ultrassonografia abdominal, e tem como maior interesse o potencial que alguns tipos de pólipos têm de se tornar um tumor maligno (câncer).

A maioria dos pólipos não têm a capacidade de se malignizar, e são apenas alterações estruturais ou depósitos de gordura (colesterolose) na mucosa. A ultrassonografia encontra pólipos em 1,5 a 4,5% dos exames de vesícula biliar. O mais importante é que, apesar da ultrassonografia identificar o pólipo, ela não pode afirmar com segurança se a lesão se trata de um pólipo benigno e sem risco, ou um pólipo pré-maligno ou um câncer de vesícula.

Desta forma, algumas considerações são feitas de acordo as características dos pólipos, como número e tamanho, para que se decida entre o acompanhamento ultrassonográfico periódico ou pela cirurgia.

Os pólipos são divididos em benignos e malignos. Os pólipos benignos mais comuns são os de colesterol (colesterolose), inflamatórios e adenomas. Os adenomas são importantes porque têm a capacidade de se tornarem tumores malignos. Quanto ao pólipos malignos, os mais comuns são os adenocarcinomas. O fator mais importante em relação ao potencial de malignização dos pólipos é o seu tamanho. Sabe-se que os pólipos com mais de 2cm são quase sempre tumores malignos de vesícula, enquanto os pólipos entre 1 e 2 cm também já apresentam esta possibilidade em até 2/3 dos casos. Os cálculos de colesterol têm em geral menos de 1 cm, e geralmente são múltiplos.

Os pólipos de vesícula são tratados apenas através da cirurgia, ou porque causam sintomas ou como prevenção ao câncer de vesícula. Apesar do maior número de pólipos se tratarem de lesões benignas e sem risco, toda atenção deve ser dada ao risco de um câncer de vesícula, já que esta doença tem um prognóstico ruim.

Desta forma, a ressecção de uma lesão pré-maligna ou de um tumor em fase inicial é muito importante. Os pacientes que apresentam os pólipos em associação com cálculos de vesícula devem ser operados, independente da presença de sintomas ou do tamanho dos pólipos, já que sabidamente esta associação aumenta o risco de câncer de vesícula.

Portanto, as pessoas que apresentaram pólipos de vesícula em sua ultrassonografia devem ser acompanhados por um Cirurgião do Aparelho Digestivo, que decidirá qual a melhor forma de acompanhamento do pólipo ou até mesmo indicará a cirurgia, caso julgue que o pólipo apresenta qualquer risco.

Entre em contato conosco através da nossa central de atendimento

CHAT ON LINE

TELEMEDICINA

TELEMEDICINA

Progastro_Especialista

👨🏻‍⚕️PROGASTRO ON-LINE👩🏽‍⚕️

Realizamos Orientação Médica a distância por vídeo chamada.
.
SAIBA COMO FUNCIONA?
1. Agende o PROGASTRO ONLINE através do nosso  CHAT ON-LINE .
.
2. Informe o número de um celular válido no cadastro, pois a consulta será realizada através de Vídeo Ligação via aplicativo whatsapp;
.
3. Efetue a transferência bancária identificada; 
.
4. Você receberá uma mensagem no seu whatsapp confirmando o atendimento.
.
5. No horário da consulta, vá para um lugar silencioso e aguarde o nosso médico especialista te ligar no número fornecido*.
.
6. Receba o seu atendimento médico na segurança da sua casa.
.
* É importante que você esteja em um local com wi-fi, bem iluminado, e que a câmera e microfone do celular estejam funcionando. Habilite as notifi-cações do aplicativo para ser notificado da chamada.
.
BENEFÍCIOS DO ATENDIMENTO @instituto.progastro ON-LINE:
*  Acessibilidade: Atendimento médico onde quer que você esteja;
* Segurança: reduz a possibilidade da contaminação ou transmissão do virus do COVID19, além de permitir realizar uma SEGUNDA OPINIÃO COM UM ESPECIALISTA;
* Responsabilidade: diminui o fluxo desnecessário em hospitais, ajudando na contenção do vírus, ajudando no Isolamento Social necessário neste período;
* Rapidez: Horários disponíveis para o mesmo dia.
* Economia: os custos totais (transporte, estacionamento, etc…) de atendimento são menores do que uma consulta presencial na clínica.

AGENDE ATRAVÉS DO NOSSO CHAT ON-LINE

Câncer de Pâncreas: A melhor prevenção é a INFORMAÇÃO.

Câncer de Pâncreas: A melhor prevenção é a INFORMAÇÃO.

Qual a função do pâncreas?
O pâncreas, localizado na região superior do abdômen, faz parte do sistema digestivo do nosso organismo. Ele possui a função endócrina, que produz a insulina, hormônio responsável por controlar os níveis de glicemia do sangue, e a função exócrina, incumbida de produzir as enzimas relacionadas à digestão e absorção dos alimentos que consumimos.

O que é câncer de pâncreas?
Em grande parte das situações, o câncer neste órgão é o adenocarcinoma, originado no tecido glandular, sendo responsável por mais de 90% dos casos diagnosticados pelos médicos, e pode ser relacionado ao tabagismo. O câncer de pâncreas atinge praticamente na mesma proporção homens e mulheres, em geral, com idade superior a 50 anos, especialmente os mais velho, entre os 65 e os 80 anos. Este tipo de câncer é bastante raro em pessoas com menos de 30 anos de idade.

O que é adenocarcinoma do pâncreas?
É um tipo do câncer de pâncreas que, geralmente, origina-se nos ductos pancreáticos, mas pode também desenvolver a partir das células responsáveis por produzir as enzimas pancreáticas (carcinomas de células acinares). Grande parte dos adenocarcinomas apresenta-se na cabeça do pâncreas, a parte que se encontra mais perto do primeiro segmento do intestino (duodeno).

Quais são os fatores de risco?
O principal fator de risco relacionado ao adenocarcinoma do pâncreas é o tabagismo. As pessoas que usam cigarro e seus derivados tem cerca de três vezes mais chances de desenvolver câncer de pâncreas do que os não fumantes. O risco aumenta de acordo com a quantidade e o tempo de consumo desse tipo de droga. Além disso, aqueles que sofrem de diabetes melitus tipo 2, e de pancreatite crônica, geralmente causada pelo uso excessivo de álcool pelo paciente, tem chances de desenvolver a doença.

Quais são os sintomas do adenocarcinoma do pâncreas?
Perda de peso, olhos e pele amarelados, e dores abdominais são os sintomas mais frequentes deste tipo de câncer. É importante ressaltar que a perda de apetite e a desnutrição também podem ocorrer, dependendo o grau da doença. No entanto, há casos em que o paciente não tem sinais da doença. Apesar de não haver uma justificativa para realização de exames de imagem em pacientes deste tipo, o diagnóstico precoce, a partir da identificação de alguma lesão pré-maligna, pode levar à maiores respostas ao tratamento e chances de cura.

Como é feito o diagnóstico do adenocarcinoma do pâncreas?
É realizado a partir de manifestações clínicas do paciente, relacionadas a exames de imagem, capazes de mostrar a presença do tumor no pâncreas.

É possível evitar o adenocarcinoma do pâncreas?
Por ser associado diretamente a hábitos de vida do paciente, é essencial levar uma vida saudável, com relação à alimentação, e evitar, principalmente, o cigarro e o álcool. Apesar disso, há casos em que o câncer de pâncreas aparece também em pessoas sem histórico de tabagismo ou ingestão de álcool. Mas, é sempre necessário ter hábitos saudáveis para diminuir os riscos de contrair este tipo de câncer de pâncreas.

Como tratar o adenocarcinoma do pâncreas?
O tipo de tratamento a ser indicado pelo médico responsável vai depender de diversos fatores, entre eles, o tipo de tumor, sua localização, seu estágio e do estado de saúde do paciente. Em geral, é possível afirmar que a cirurgia seja mais indicada em estágio inicial, pois pode ser retirado o tumor por completo, contendo o avanço da doença no organismo. Se há existem metástases atingindo outros órgãos, a operação também pode ser realizada com intenção terapêutica ou associada ao tratamento quimioterápico. Além disso, o médico pode indicar a quimioterapia, associada ou não à radioterapia, que ajudará a controlar a doença, aliviar os sintomas e evitar a volta do tumor. Por isso, é sempre importante destacar a importância do diagnóstico precoce do câncer, neste caso, que atinge o pâncreas. Quanto antes for descoberto, maiores são as chances de cura do paciente.

Entre contato conosco através da nossa central de atendimento on-line

CHAT ON LINE

Vídeo Abaixo: Cirurgia para tratamento do Câncer de Pâncreas

ADENOCARCINOMA DA CABEÇA DO PÂNCREAS
Metástase no Fígado

Metástase no Fígado

Liver Surgery

O que é metástase no fígado?

metástase no fígado ocorre quando um câncer, originário de outros lugares do corpo, atinge o órgão. Diferente do chamado câncer primário de fígado, a metástase hepática é um problema, geralmente, relacionado à estágios mais avançados de alguns tipos de câncer, como o câncer de pâncreas e câncer de mama.


Quais são as causas da metástase no fígado?

Existem seis etapas da medicina na metástase hepática. As células de câncer vão desde o local principal até um tecido normal próximo, movendo-se por meio das paredes dos vasos linfáticos e vasos sanguíneos. 

Logo após, elas migram pelo sistema linfático e circulação sanguínea para outras partes do corpo humano. Ao chegar a um local distante, param de se mover e passam a percorrer os vasos sanguíneos capilares e invadir tecidos próximos.

A partir deste momento, as células cancerosas crescem no local distante, e criam pequenos tumores, conhecidos como micro metástases, dando origem a um novo tumor em outro órgão, no caso da metástase hepática – o fígado.

A maioria desses casos desenvolve-se a partir do câncer de intestino. Estima-se que cerca de 60% a 70% dos pacientes com esse tumor tem chance de desenvolver o problema. Uma das explicações para essa porcentagem é que o fornecimento de sangue do intestino está diretamente ligado ao fígado, por meio de um vaso sanguíneo chamado de veia porta.

Além do câncer colorretal, os tumores primários, onde existe maior probabilidade de se espalharem para o fígado, dependente de sua localização inicial, são: câncer de mama, pâncreas, rim, esôfago, pele, pulmão, ovário, colo de útero, pâncreas e estômago.

É essencial destacar que, mesmo que o câncer primário tenha sido curado ou tratado, o paciente pode sofrer com a metástase hepática no futuro. Portanto, se o paciente já teve câncer em qualquer lugar do corpo, deve se informar sobre o assunto e fazer exames regulares, com acompanhamento médico.


 

Quais são os fatores de risco da metástase no fígado?

O câncer em outra região do corpo torna-se o principal fator de risco deste problema. O estágio do tumor primário é diretamente relacionado às chances de uma metástase no fígado.


 

Quais são os sintomas da metástase no fígado?

Grande parte dos pacientes com metástase hepática não tem sinais de alerta da doença. Em caso de sintomas, os mais comuns são: perda de peso e de apetite, aumento do tamanho do fígado e fortes dores, inflamação do baço, urina de cor escura, amarelamento da pele e dos olhos, dores abdominais, náuseas, suor e febre.


 

Como é feito o diagnóstico da metástase no fígado?

diagnóstico da metástase hepática pode ser feito por meio de um exame físico, devido ao inchaço do fígado e a descrição dos sinais pelo paciente atingido. Em estágio inicial, esse tumor é difícil de ser notado, pois os sintomas só começam a aparecer em situações mais avançadas. O médico pode avaliar o paciente também com exames complementares, como tomografia abdominal, ultrassonografia e ressonância magnética.


 

Como é o tratamento da metástase no fígado?

Com terapia sistêmica, por meio de:

  • Quimioterapia: utilização de medicamentos, para destruir, controlar ou inibir o crescimento das células doentes;
  • Imunoterapia: com o uso de anticorpos, fatores de crescimentos e vacinas;
  • Terapia-alvo: drogas são usadas para identificar e conter o funcionamento de partes do câncer;
  • Hormonioterapia: tem o objetivo de impedir a ação dos hormônios, responsáveis pelo crescimento das células do câncer;

Além disso, as metástases no fígado podem ser tratadas com terapias localizadas:

  • Cirurgia: em casos de estágio inicial, a retirada do tumor é mais fácil e com maior chance de cura;
  • Radioterapia: radiação ionizante onde está localizado o câncer.

A escolha dependerá do caso de cada paciente, e de como o tumor está evoluindo, bem como o tamanho, localização e quantidade, idade e estado de saúde do indivíduo. No entanto, esses tipos de tratamentos ajudam na expectativa de vida e na melhoria dos sintomas.

PROCURE SEMPRE UMA AVALIAÇÃO COM MÉDICO ESPECIALISTA.

A Cirrose tem cura?

A Cirrose tem cura?

Imagem relacionada

A cirrose hepática é uma doença de evolução prolongada que conduz à destruição do fígado. É também chamada de doença hepática crônica e caracteriza-se pela morte das células do fígado, com aparecimento de cicatrizes (fibrose) e alteração da sua estrutura. O fígado fica com uma consistência muito dura e cheio de nódulos. Essa alteração na estrutura compromete a circulação do fígado e afeta a sua função. É uma doença muito importante porque o fígado desempenha múltiplas funções. Geralmente acometem cerca de 2% ao ano dos pacientes com doenças hepáticas de longa duração. A cirrose é a nona causa de morte e termos gerais, mas é a quarta de morte precoce, ou seja, antes dos 65 anos. Destes números, o álcool é o principal responsável.

1. Quais as causas da Cirrose Hepática?

Como se referiu, a causa mais frequente é a cirrose alcoólica, seguida pela hepatite C e pela hepatite B. Outras causas mais raras são as doenças do fígado associadas à obesidade, a cirrose biliar primária, as hepatite auto-imunes, a doença de Wilson, a hemocromatose, o défice de alfa 1-antitripsina, as anomalias das vias biliares e a colangite esclerosante primária.

2. Quais são os sintomas da Cirrose Hepática?

Na fase inicial, não existem quaisquer sintomas associados à cirrose. Os sintomas mais precoces costumam ser a fadiga, perda de energia, perda de apetite e de peso, náuseas, dores abdominais e pequenos sinais hemorrágicos na pele em forma de “aranha”. Podem ocorrer hemorragias mais facilmente ou formação de “nódoas-negras”. Na fase de descompensação, ocorrem diversos sinais e sintomas como:

  • icterícia (olhos e pele amarelados);
  • presença de ascite (barriga de água);
  • inchaço das pernas;
  • hemorragias digestivas sob a forma de vómitos ou fezes com sangue, mais frequentemente provocadas pela rotura de veias dilatadas no esófago (varizes esofágicas);
  • fezes descoradas (cor de massa de vidraceiro);
  • alterações mentais que podem levar a confusão mental, agressividade e mesmo coma (encefalopatia hepática);
  • desenvolvimento de infecções graves;
  • alterações hormonais com disfunção eréctil e aumento das glândulas mamárias no homem;
  • câncer do fígado (carcinoma hepatocelular ou hepatoma)

3. A Cirrose Hepática pode causar Câncer?

O risco de desenvolvimento de câncer do fígado na cirrose hepática é de cerca de 1 a 4% por ano. Este carcinoma apresenta elevada mortalidade se for diagnosticado numa fase avançada. Por esse motivo, é muito importante que todos os doentes com cirrose realizem uma ecografia abdominal de seis em seis meses, para que o tumor seja diagnosticado ainda com pequenas dimensões. Nesses casos, existem alguns tratamentos eficazes, como o transplante hepático, a remoção cirúrgica, a radiofrequência, a alcoolização, a quimioembolização ou um medicamento (sorafenib), administrado por via oral.

4. Como é feito o diagnóstico da Cirrose Hepática?

O diagnóstico assenta no exame médico associado a exames laboratoriais, ecografia e/ou tomografia computadorizada abdominal. Em alguns casos, remove-se um pequeno fragmento do fígado, através de uma agulha, para exame microscópico. Este exame corresponde à biópsia hepática. Existe outro exame mais recente, semelhante à ecografia, chamado elastografia hepática, que pode ser muito útil no diagnóstico da cirrose, dispensando, em alguns casos, a biópsia.

5. A Cirrose Hepática tem Cura?

As chances de cura irão depender da fase em que a doença se encontra e quais as opções de tratamento da doença que causou a cirrose. Para a hepatite C, existem medicamentos que eliminam o vírus em mais de metade dos casos, impedindo o agravamento da cirrose e, por vezes, proporcionando a sua regressão. Para a hepatite B é também possível o controle do vírus, na grande maioria dos casos, utilizando diversos tipos de medicamentos antivirais e moduladores do sistema imune. Para a hepatite auto-imune, utilizam-se corticoides. Na fase de descompensação, o tratamento dependerá dos sintomas e das complicações presentes. Com frequência, esse tratamento é realizado em ambiente hospitalar. Nos casos mais graves, em que o fígado é incapaz de exercer as suas funções, o transplante hepático, caso não existam contra-indicações, é uma alternativa.

6. Como previnir o desenvolvimento da CIRROSE?

A prevenção da cirrose hepática passa por evitar todos os factores a ela associados. Assim, é importante:

  • não consumir bebidas alcoólicas em excesso;
  • fazer a vacina contra a hepatite B;
  • utilizar preservativo no caso de múltiplos parceiros ou relações sexuais de risco;
  • evitar o excesso de peso a manter sempre uma dieta equilibrada e saudável.
Hemangioma Hepático

Hemangioma Hepático

Resultado de imagem para hemangioma hepático

1. O que é hemangioma?

Lesões, nódulos ou tumores podem se formar em todos os órgãos do corpo humano, mas apesar de estar relacionado ao câncer em alguns casos específicos, nem sempre esse tipo de lesão representa um risco, e o hemangioma no fígado é um bom exemplo disso.

Essa lesão pode acompanhar uma pessoa durante toda a sua vida, sem que ela saiba que a possui. Mas é importante conhecer mais sobre ele para entender como se forma e se pode trazer algum tipo de transtorno.

2. O que é hemangioma no fígado?

O hemangioma no fígado (hemangioma hepático) é um tumor benigno que se forma em função de vasos sanguíneos que se enovelam. Ele não é um problema causado por bactérias, vírus, e nem se trata de uma inflamação.

Na verdade sua formação acontece enquanto o embrião está se desenvolvendo, ou seja, trata-se de um problema congênito. A pessoa nasce com ele e muitas vezes o descobre apenas depois de anos.

Hemangiomas podem se formar em vários órgãos do corpo humano. Na pele, por exemplo, ele é caracterizado por manchas vermelhas. Já no fígado, surgem pequenos tumores, que em nada afetam a função hepática.

3. Quais são os Sintomas ?

Pessoas que têm hemangioma no fígado podem nem mesmo descobrir que o tumor existe, porque ele não costuma manifestar sintomas. É como que se mantenha do mesmo tamanho que tinha no nascimento do indivíduo, sem sofrer alterações ao longo do tempo.

Porém, também acontece de vir a crescer, mas ainda assim raramente o médico pede algum exame específico para identificá-lo, sendo mais comum diagnosticar o hemangioma durante a realização de um exame solicitado por outro motivo.

Essas lesões, de achados incidentais são na maioria das vezes pequenas, porém podem ter casos grande, e aquelas classificadas com gigantes chegam a atingir mais de 5 cm de diâmetro. Nesses casos é que o hemangioma costuma causar algum incômodo, porque seu volume o leva a “dilatar” a cápsula do fígado ou a empurrar outros órgãos e estruturas próximas, como o estômago.

Quando isso acontece ele pode causar saciedade precoce, dor abdominal, febre, náuseas, sensação de estufamento após as refeições e vômitos. Mas lembrando que essas condições são incomuns, e mesmo nesses casos, o hemangioma é encontrado por acaso.

4. Qual o risco de Complicações Clínicas? 

Por ser benigno, o hemangioma não traz consequência graves para a saúde do paciente. Apenas quando ele cresce demais é que pode trazer os incômodos citados acima, e nos casos raros de ocupar uma grande parcela do fígado, o risco é o seu rompimento.

A lesão não se rompe sozinha, mas se for grande demais e a pessoa sofrer um trauma, então os vasos sanguíneos se rompem ocasionando hemorragia interna. Também podem se formar coágulos em seu interior, condição que leva ao consumo de plaquetas, que por sua vez, aumenta a chance de hemorragias em outros órgãos.

5. Como é feito o Diagnóstico? 

Pela ausência de sintomas, o hemangioma costuma ser descoberto quando o paciente precisa tratar ou investigar outros problemas de saúde. Em mulheres, por exemplo, os tumores podem ser descobertos em função da realização de exames de imagem par fins ginecológicos.

De toda forma, o tumor é investigado pelo especialista para que possa se obter um diagnóstico preciso e excluir a hipótese de doenças mais agressivas. Então, são solicitados exames de imagem para análise da lesão, como a ultrassonografia, tomografia e a ressonância nuclear magnética.

Também podem ser solicitados outros exames para nódulos duvidosos e não característicos de hemangioma, como a cintilografia, arteriografia, biópsia hepática (não deve ser realizada na suspeita de hemangioma) e exames laboratoriais para identificar se o tumor não é maligno. De toda forma, apenas em casos duvidosos, porque o exame de imagem é suficiente para identificar o tipo de lesão.

6. Quais são as opções de tratamento ?

Quando o hemangioma no fígado é pequeno, e não causa sintomas ele não precisa ser tratado. Ou seja, necessita de acompanhamento médico e exames anuais ou a cada dois anos para observar se houve alteração de tamanho da lesão.

A indicação de cirurgia existe em casos extremos. Ou seja, apenas quando o tumor é classificado como gigante e interfere na qualidade de vida do paciente, ou em casos pós-trauma e com sangramento da lesão.  Nesses casos as indicações variam conforme a necessidade de cada um, variando entre:

  • ressecção cirúrgica;
  • embolização;
  • ligadura da artéria hepática;
  • corticoterapia;
  • radioterapia;

transplante hepático pode estar indicado para o tratamento do hemangioma gigante com síndrome compartimental. Ou seja, casos gigantes (normalmente ocupam todo o fígado) com aumento importante da cavidade abdominal, e exames que demonstrem que o grande volume da lesão dificulte a alimentação do paciente (por exemplo compressão do estômago, esôfago) e a decorrente associação com a perda de peso.

O tamanho do tumor em si não é um fator que indica a necessidade de tratamento. O que determina isso é a influência do hemangioma na saúde do paciente e as complicações que ele pode causar.

De toda forma, o hemangioma no fígado exige cuidados mais expressivos em poucos casos. O paciente pode manter uma vida normal, convivendo com o problema sem nem mesmo o perceber, mas se for preciso tratar, as chances de cura são altas e as complicações mínimas.

Qual o risco dos CISTOS PANCREÁTICOS?

Qual o risco dos CISTOS PANCREÁTICOS?

Resultado de imagem para pancreatic cystic lesions

1. Doutor o que são tumores císticos no pâncreas?

Essas lesões podem ser de natureza benigna ou maligna, sendo que cerca de 80% dos casos correspondem a pseudocistos (pós crises de pancreatite aguda) e apenas de 10% e 15% são tumores císticos do pâncreas.

Os cistos encontrados no pâncreas têm sido cada vez mais identificados, principalmente, por causa do uso mais comum de exames de imagem, como, por exemplo, a ecografia. Merecem atenção especial por parte dos médicos, pois podem se tornar algo mais grave para o paciente.

Eles podem representar um simples acúmulo de líquido em uma região atingida por processo de inflamação, decorrente de uma pancreatite, e até mesmo tumores malignos agressivos – mas, que felizmente, são bastante raros .

Na verdade, na grande maioria das vezes, os cistos do pâncreas são benignos, mas isso não significa que não é preciso tratar. Há tumores benignos que podem trazer consequências graves para o paciente e precisam ser tratados pelos médicos.

Há alguns cistos pancreáticos benignos que tem uma tendência maior em se transformar em um tumor maligno – o câncer de pâncreas. Os mais comuns são os chamados cistoadenomas mucinosos e os tumores intraductais mucinosos papilares (TIMP). Além disso, o segundo tipo ainda pode ser responsável pela pancreatite aguda, já que produz uma substância liberada no interior dos ductos do pâncreas causando obstrução e gerando um processo inflamatório.

2. Quais são os sintomas mais comuns? 

Grande parte dos cistos pancreáticos são assintomáticos e acabam sendo descobertos de maneira ocasional durante a realização de umexame de imagem, entre eles a ecografia e a tomografia. Este é o grande problema, já que sem sinais o paciente não procura o médicopara realizar o tratamento adequado. E, há o risco de quando for descoberto, o tumor maligno já estar em estágio avançado e de difícil tratamento.

 

3. Como é feito o diagnóstico?

diagnóstico é realizado a partir de exames, que possam colaborar na identificação de cistos de pâncreas. Exames de imagem, dosagens sanguíneas e dosagens de substâncias no líquido do cisto são algumas das formas de descobrir. Porém, dependerá do caso de cada paciente, somente o médico pode indicar qual é o melhor exame a ser realizado. E, além destes métodos disponíveis, o diagnóstico dos tumores císticos do pâncreas são um desafio para a medicina, atualmente.

 

4. Qual é o tratamento?

São variadas as formas de tratamento dos tumores císticos, devido aos seus amplos tipos. No entanto, é comum em que há fortes suspeitas de cistos malignos, a indicação de tratamento médico costuma ser por meio de cirurgia. Por sua vez, nas situações em que há lesões benignas com potencial em se transformar em maligna é necessário ter uma avaliação melhor, com relação aos riscos do procedimento. Isso irá depender da idade do paciente, seu estado de saúde e o real estágio da doença.

A cirurgia variará de acordo com o tipo de cada paciente. Há procedimentos seguros, por meio da videolaparoscopia, e também cirurgias mais complexas, a depender da situação de cada lesão.

O importante é sempre ficar atento com cisto no pâncreas, pois apesar de parecer sem gravidade, pode ser que evolua para um tumor maligno, e causando situações mais graves. O diagnóstico precoce é essencial para um tratamento adequado, com maiores chances de cura para o paciente.